Por Mariana Arruda

Já foi comprovado que o poder do décor é efetivo quando se fala em transformar qualquer ambiente. E, para quem é apaixonado por plantas, a tendência Urban Jungle cumpre esse papel. Confira os atributos indispensáveis para essa transformação com as dicas do arquiteto paisagista, Rafael Faro.

Floresta dentro de casa

Caso esteja na dúvida se o Urban Jungle é para você, Rafael explica que esse conceito traz natureza para dentro das casas das pessoas por meio da inserção das plantas e do verde na decoração, gerando assim um ambiente mais aconchegante, de bem-estar e atingindo o objetivo principal de criar o máximo de contato com a natureza. “Acredito que essa tendência surgiu muito da vontade das pessoas fugirem de ambientes artificiais ou melhor, que são mais impessoais”, explica Faro.

Urban Jungle

Decoração certa

Porém, esse efeito não é apenas encher a casa com muita planta. O arquiteto e paisagista explica que é importante escolher itens naturais que devem estar atrelados ao perfil dos moradores da casa. “A decoração precisa ser útil e ser um elemento facilitador na rotina das pessoas, estando compatível com as suas capacidades e tempo disponível para se dedicar às plantas”, conta.

Cores e texturas

As texturas e as cores podem ser encontradas em inúmeras possibilidades. Então, de acordo com Faro, é importante que sejam bem escolhidas, mas que não existe um conjunto de regras e limite para isso. “Claro que alguns tons e cores fazem referências mais diretas e fáceis de serem referenciadas como os tons terrosos (marrons), assim como muitos tons de verdes que remetem às plantas”.

Urban Jungle

Escolha as plantas!

Depois de entender tudo sobre o conceito, é importante que os moradores escolham as plantas que darão o ar selvagem à residência. “Normalmente utilizam-se muitas folhagens, principalmente para sombra e meia sombra tais como lírios, costelas de adão, samambaias, filodendros, zamioculcas, calatéias e heras mas é muito possível fazer uma transgressão dessas regras e criar um jardim desértico na casa”, diz o arquiteto.

Segundo Rafael, tudo depende de detalhes básicos como a quantidade de iluminação natural e estilo de vida dos moradores (e sua rotina) além do perfil do lugar. “Então, podemos optar por um projeto com cactos e suculentas e ficar incrível desde que o conceito de ‘Selva Urbana’ esteja inserido”, conta.

Dica do especialista

Urban Jungle
Arquiteto paisagista, Rafael Faro.

Antes de sair para as compras, anote as dicas de objetos que devem estar na sua lista, segundo Faro.

Objetos: cestas de palha, emaranhados de plantas penduradas no teto, vasos de barro, quadros decorados com folhas secas, entre muitos outros, desde que tudo esteja harmonioso e verdadeiro, com a ideia de imersão na natureza.

Amazônia via NYC

A arte também pode ser incorporada através do conceito Urban Jungle. A catarinense Marize Koerich levou, na primeira semana de novembro, seus quadros com referências da floresta brasileira na exposição “AmazoNYa 4.0”. “Acredito que arte é uma forte ferramenta com poder de repensar temas importantes”, explica Marize.

Além de trazer referências que mesclam essas duas realidades, a artista também faz uma releitura de clássicos de Da Vinci. “Monalisa é a obra mais importante de todos os tempos. Tenho facilidade de falar de qualquer tema com releituras desta obra e sem me dar conta, quando vejo, fiz outra Monalisa”, explica.

*fotos: reprodução Pinterest/Divulgação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

dois + quinze =