Por Grazi Caproni                                                                      

Própolis
            @grazicaproni

 

Produzida pelas abelhas a partir de cascas, resinas e botões de flores e alterada pela ação das enzimas contidas na saliva desses insetos, a própolis serve para vedar e proteger a colmeia contra fungos e bactérias, além de embalsamar corpos de invasores para evitar contaminações dentro da “casa”. Tanto é que a palavra “própolis”, de origem grega, vem da união de “pro” (em favor de) + “polis” (cidade), ou seja, “em favor da cidade”, que no caso é a colmeia. Muitas vezes usado na forma de extrato, ele atua como antibiótico natural, tem nutrientes que melhoram a imunidade do organismo, além da função antioxidante e antifúngica. É um dos melhores suplementos imunomoduladores, que dá aquele reforço ao nosso “exército de proteção” interno. O extrato de própolis puro, aquele líquido pra usar em gotas ou em cápsulas, não deve ser confundido com formulações que além de terem própolis na composição, têm outras substâncias associadas, como mel, gengibre ou até mesmo açúcar por exemplo, sendo normalmente em spray.

Tipos de extratos de própolis 

Existem dois tipos de extratos, o aquoso e o alcoólico. Boa parte dos ativos benéficos existentes na própolis são mais bem extraídos em álcool, por isso, essa opção tem gosto mais forte, amargo e adstringente. Já no extrato aquoso, encontramos ativos solúveis em água, menos concentrado, mas ainda assim com boa qualidade. Ambos podem ser utilizados, porém estudos indicam que a concentração dos compostos benéficos é maior no extrato alcoólico, pelo fato do álcool dissolver melhor a resina (principal componente da própolis). Para crianças acima de dois anos e gestantes, porém opte pelo extrato em água.

Própolis

Tipos de própolis

Verde: aclamada pelo mercado estrangeiro, é obtida da planta típica do Brasil, o alecrim do campo e diferencia-se das demais pela presença dos ativos altamente anti-inflamatórios conhecidos como Artepelin-C e bacarina.

Vermelha: comum no Nordeste, é rica em componentes anti-inflamatórios, que ajudam a conter os estragos causados por micróbios. Também tem se saído bem em experiências com células cancerosas. Isso já faz dela, junto com a verde, o tipo mais caro e cobiçado pelo mercado.

Marrom: mais presente no Sul do Brasil, é semelhante à variedade europeia. É tradicional nas farmácias, embora seja menos estudada entre as três versões aqui. Destaca-se pelas atividades antioxidante e antimicrobiana.

Própolis

Qual escolher?

Escolha a própolis pelo grau de pureza, observando a relação p/v (peso/volume) na embalagem, preferindo sempre maiores que 10-12%.

Regulação do sono

Uma boa receita para dormir mais rápido é preparar um chá de mulungu, adicionar dez gotas de própolis e beber antes de deitar. Mas, antes de usar pela primeira vez, pingue duas gotas do extrato na pele e espere por 30 minutos para ver se surge algum incômodo ou alergia.

Dosagem

No Brasil, o produto é classificado como um alimento funcional, por isso, não existe dosagem ideal de consumo. Estudos apontam, porém, que 30 gotas de extrato por dia (em ½ copo d’água) são o suficiente para fortalecer o organismo. No caso de crianças, a medida é uma gota por quilo, diluída em água ou suco natural, fracionando a quantidade em três ou quatro usos ao dia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

7 + dezenove =