Por Raíssa Zogbi 

Quando se pensa na palavra sustentável, é comum associá-la ao cuidado e à preocupação com a natureza. De fato, ela faz sentido, mas é uma definição limitante perto da abrangência que seu sentido pode ter. No turismo, esse segmento trabalha muito além da forma consciente de se pensar no meio ambiente. Segundo a Organização Mundial do Turismo, o turismo sustentável engloba as formas conscientes de uso dos recursos naturais, principalmente água e energia, que garantem o crescimento econômico local e a preocupação com a sociedade local e com o bem-estar dos visitantes.

Como funciona?

As ações planejadas por organizações públicas e privadas refletem nas cidades turísticas, na economia e na qualidade de vida dos chamados autóctones, que são pessoas nascidas na região. “É a junção entre ambiente, social e econômico, que gera lucro sustentável para a população e também para os gestores da cadeia turística”, explica a especialista em viagens da Minds Travel, Lorena Peretti.

turismo sustentável no Brasil
Gramado

5 pilares do turismo sustentável

  • Estimular o crescimento econômico;
  • Promover a inclusão social;
  • Aumentar o aproveitamento de recursos protegendo o meio ambiente;
  • Preservar as tradições de culturas locais;
  • Buscar a convivência pacífica e segura entre comunidades.

Tecnologia à favor

Os novos meios tecnológicos facilitam a integração do poder público e privado, através de mecanismos de controle. Muitos locais do mundo limitam o número de turistas diariamente e, para facilitar essa contagem, há tickets únicos que são comercializados para enumerar os indivíduos. “Essa limitação no número de visitantes preserva o local visitado, melhora a qualidade do atendimento dos comerciantes e demais agentes do turismo, e controla a elevação de tarifas abusivas para os turistas”, afirma Lorena. De acordo com ela, países como Finlândia, Suécia e Dinamarca estão à frente nessas ações e são vistos como modelos bem sucedidos nos quesitos: preocupação com o meio ambiente e uso de energia limpa.

Procura

Na era do compartilhamento, da troca de informações e com a chegada da nova geração, que carrega a preocupação com o planeta como uma de suas principais características, os destinos sustentáveis são cada vez mais procurados, por irem ao encontro do desejo pelo inusitado, por locais que se preocupam com o entorno e limitam o número de pessoas para experienciar as atrações. “No período em que vivemos, em que vale a experiência de coisas e lugares inexplorados, o turismo sustentável anda de mãos dadas com a geração que não quer apenas descanso. Os nascidos após 2000, que já representam um terço da população mundial, vêm influenciando as demais gerações”, aponta Lorena.

turismo sustentável no Brasil
Vale do Ribeira

Para todas as idades e geralmente destinados a turistas que querem contato com a natureza, esses destinos já foram, por muito tempo, limitados ao conceito de rústico e sem conforto. Porém, é um conceito que vêm sendo desmistificado. “Há cadeias renomadas de hotéis e outros meios turísticos de alto padrão que investem no turismo sustentável. Afinal, o gasto que se tem no início com energia limpa, entre outras ações são barateados a médio e longo prazo. Tudo é um questão de planejamento financeiro e dos impactos positivos que essas ações sustentáveis renderão”, completa a especialista.

Como ser sustentável?

turismo sustentável no Brasil
Reserva de Mamirauá – Amazonas.

De acordo com a especialista, a palavra de ordem para seguir um padrão sustentável de turismo é planejamento.  “É preciso analisar o solo, a população do entorno, os possíveis danos ambientais e se é preciso controlar ou limitar o número de acessos de visitantes”, finaliza Lorena.

10 principais destinos sustentáveis do Brasil

O Brasil é reconhecido como um país tropical e procurado por turistas de todo o mundo por sua vasta área natural. Na lista abaixo, você encontra 10 opções de destinos sustentáveis para colocar a lista de viagens. Conheça mais sobre os três primeiros colocados da lista!

  • Ilha de Porto Belo (Santa Catarina)
  • Bonito (Mato Grosso do Sul)
  • Fernando de Noronha (Pernambuco)
  • Vale do Ribeira (São Paulo)
  • Socorro (São Paulo)
  • Petar- Parque Estadual do Alto do Ribeira (São Paulo)
  • Reserva de Mamirauá (Amazonas)
  • Miranda (Mato Grosso do Sul)
  • Gramado e Canela (Rio Grande do Sul)
  • Lima Duarte e Santa Rita do Ibitipoca (Minas Gerais)

Ilha de Porto Belo (Santa Catarina)

turismo sustentável no Brasil
Ilha de Porto Belo – Foto: divulgação

Há 65 quilômetros de Florianópolis, a ilha abriga histórias místicas de um “mapa do tesouro”, gastronomia diferenciada e atividades como mergulho e tirolesa. Ela é a prova de que o turismos não se restringe apenas ao Ecoturismo. Com 4 mil anos de história e um atendimento de A&B que não perdem em nada aos locais que não tem essa preocupação ambiental, só pode receber 1879 pessoas por dia.

Bonito (Mato Grosso do Sul)

turismo sustentável no Brasil
Bonito – Foto: Lorena Peretti

O título de cidade menos violenta do Mato Grosso do Sul é fruto do turismo praticado na região. Isso porque as autoridades públicas atuam em conjunto com a privada e, assim, geram empregos. Lá também há uma capacidade de suporte delimitada em cada passeio. O balneário municipal, por exemplo, pode receber até mil pessoas por dia, sendo que 800 vagas são para moradores locais. “No momento que a população local é incluída, gera-se o sentimento de pertencimento e de cuidado com o local. O turista sente isso na prática: passeios estruturados, cidade preservada e felicidade de quem os recebe”, conta Lorena.

Fernando de Noronha (Pernambuco)

turismo sustentável no Brasil
Fernando de Noronha

O arquipélago que tem 21 ilhas, sendo a maior nomeada também de Fernando de Noronha, é um dos principais cartões postais do país. O turismo é restringido a 420 visitantes por dia, e por isso, acaba por ser um destino caro. No fim de dezembro de 2018, ele se tornou o primeiro lugar do Brasil a aprovar o banimento total dos plásticos descartáveis. Assinado pelo Administrador Geral da Ilha, Guilherme Rocha, o decreto estabelece a proibição da entrada, da comercialização e do uso de recipientes e embalagens descartáveis de material plástico ou similares no Distrito Estadual de Fernando de Noronha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

quatro × dois =