No dia 1º de outubro celebra-se no Brasil o Dia do Idoso, uma data para importantes reflexões sobre como a sociedade está lidando com o envelhecimento da população como um todo. Em pouco mais de 10 anos, segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil terá mais idosos do que o total de crianças entre zero e 14 anos. De acordo com as estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2030 um quinto da população brasileira terá 60 anos de idade ou mais. Atualmente, o país figura entre as cinco maiores populações de idosos do mundo.

Cuidador de idosos

Nos últimos anos, este visível – e comprovado – envelhecimento da população brasileira gerou um nicho de trabalho bastante promissor, o de cuidador de idosos, a ocupação que mais cresce no país segundo dados oficiais. Entre 2007 e 2017, a função passou de 5.263 para 34.051 empregados (alta de quase 550%), conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Em relação à procura, os cursos de formação de cuidadores de idoso tiveram um aumento de 84% em 2018, quando comparados aos dados de 2017.

Cuidador de idosos

O cenário evidencia duas conclusões. A primeira: a demanda por serviços e produtos voltados a idosos tem crescido e tende a seguir em alta, tornando a área extremamente atrativa para quem está ingressando ou pretende ingressar no mercado nos próximos anos. E a segunda: além de empatia, paciência e dedicação, os interessados em atuar nesta área precisam de habilidades técnicas que só podem ser adquiridas em uma formação profissional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

cinco × quatro =