O Converse City Forests, projeto global da Converse que promove a pintura de murais com uma tinta que purifica o ar, atravessou as cidades de São Paulo homenageando os povos originários e, em seguida, ocupou-se da comunidade de Santo Amaro, no Rio de Janeiro, exaltando o amor afrocentrado e homenageando lideranças negras da comunidade que quebraram barreiras. Agora, o projeto vai para o nordeste, mais precisamente, no Dique do Tororó, em Salvador, Bahia, sob o tema afrofuturismo, representado na figura da cantora, compositora e atriz Larissa Luz.

IMG 3157
Crédito: MOOC
Essa nova etapa do City Forests, denominada “Recrie o Amanhã”, destaca momentos e pessoas importantes que, a partir dos espaços ocupados, tornaram determinados lugares icônicos, seja para o seu bairro, cidade ou estado. A marca quer honrar a história, debater o presente e definir objetivos e esperanças para o futuro através da arte e das histórias de todos os envolvidos no processo criativo, de produção e da própria comunidade. A escolha de Larissa Luz e o Dique do Tororó se conectam perfeitamente com a proposta do “Recrie o Amanhã”, uma vez que a artista baiana reconhece a importância do local escolhido como um dos pontos emblemáticos da cidade de Salvador. A arte vira um ponto de encontro para o orgulho da vizinhança e nos ajudará a moldar o futuro.
IMG 1984
Crédito: MOOC

A escolha de todo o projeto ficou por conta da curadoria da dupla Hisan Silva e Pedro Batalha, criadores da “Dendezeiro”, uma das marcas autorais mais relevantes da atualidade. O local que a dupla selecionou foi Dique do Tororó, em frente a uma avenida movimentada da cidade que, além de fazer com que a tinta pudesse agir de forma esperada, purificando uma região poluída devido a intensa movimentação de carros, motos e ônibus, contribui para a arte urbana na cidade.

IMG 2492
Crédito: MOOC
Para ilustrar o mural, a dupla escolheu para homenagear Larissa Luz, cantora, compositora e atriz, considerada um dos grandes nomes da nova geração da música baiana. Para Pedro da marca Dendezeiro, “A jovem Larissa que rompeu barreiras e hoje é um ícone cultural da população negra, nos convida ao futuro, conectando musicalidade, ancestralidade e tecnologia. Este mural pretende representar o avanço social da possibilidade de homenagear uma mulher negra na via pública, propondo a todos aqueles que se sentem marginalizados, imaginar um futuro possível, próspero e fantástico.”

Com o tema “Afrofuturismo”, a arte e o mural foram feitos por duas artistas negras e baianas, Andressa Monique e Nila Carneiro. Grafiteira e formada em Arquitetura e Urbanismo, o trabalho de Monique busca uma reconexão de sua ancestralidade através da representatividade de mulheres negras e com a representação de divindades das religiões afro-brasileiras, pois enxergar seu trabalho como um instrumento de combate ao racismo religioso através do graffiti . Nila é designer, muralista e ilustradora e, cada vez mais, tem visto sua arte ganhar maior reconhecimento do público, em especial nas obras em grandes dimensões. Na Bahia, a artista se destaca como uma mulher da arte urbana contemporânea brasileira.

O mural de Salvador tem 250m² e equivale ao plantio de 250 árvores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome aqui