Por Raíssa Zogbi 

As referências italianas trazidas pelos imigrantes no século XIX ainda marcam a paisagem da região Sul do Brasil. Mas, é na Serra Gaúcha, que essa conexão ultrapassa o cenário e  fica ainda mais evidente no estilo de vida. É lá onde são elaborados os melhores vinhos brasileiros. A Campinas Cafe visitou a região e traz um roteiro completo para os amantes de vinho e natureza, com vinícolas imperdíveis para visitar e degustar. Acompanhe!

Don Guerino – Alto Feliz (RS)

Sul

Com projeto arquitetônico moderno e irreverente, a Vinícola Don Guerino oferece uma das mais belas vistas da região, com um pôr do sol inesquecível. De caráter familiar, hoje exporta para EUA, Reino Unido, Dinamarca, Suíça, Suécia, Alemanha e Áustria.

Imperdível: pôr do sol com uma boa taça de vinho, harmonizada com tábuas de frios que a vinícola oferece.

Miolo – Vale dos Vinhedos, Bento Gonçalves (RS)

Com 100 hectares de vinhedos próprios e capacidade de produção de 800 mil litros por ano, a viníciola matriz da Miolo oferece uma experiência completa para quem admira o enoturismo. Caminhar entre os vinhedos, conhecer o processo de elaboração dos vinhos e espumantes, aprender sobre degustação e descobrir a história da marca são algumas das atividades oferecidas.

Sul

Imperdível: tarde na Wine Garden Miolo, um bar a céu aberto com cenário exuberante e decoração pitoresca.

Aurora – Pinto Bandeira (RS)

Em 1931, 16 famílias de produtores de uvas de Bento Gonçalves se uniram para lançar a Cooperativa Vinícola Aurora, a maior do Brasil. A vinícola, localizada no coração de Bento Gonçalves, também é considerada a maior do país.

Sul

Imperdível: loja da marca ao final do tour, que oferece descontos nos produtos.

Luiz Argenta – Flores da Cunha (RS)

Impossível não se apaixonar pelas experiências oferecidas pela vinícola Luiz Argenta. O passeio entre os vinhedos é feito com um carro que mais se parece um tanque de guerra. Mas, para provar os vinhos, opte pela vista do Clô Restaurante, que oferece um menu e uma vista impecáveis.

Sul

Imperdível: degustação às cegas com o enólogo dentro da cave, diferente de tudo que você já viu.

Peterlongo – Garibaldi (RS)

A única vinícola autorizada a usar o termo “champagne” no Brasil, também traz atrações que vão além da degustação e tour pelos vinhedos. É possível conhecer a história da família, com mais e cem anos de viniticultura. Manoel Peterlongo desenvolveu o primeiro champagne do país. Em 1974, a Peterlongo recebeu a permissão de usar o termo pelo Supremo Tribunal Federal, após comprovar que a produção do espumante era aos métodos tradicionais franceses, mesmo antes de a região europeia receber a Denominação de Origem Controlada (DOC).

Sul

Imperdível: cinema ao ar livre em frente à vinícola, que acontece uma vez por mês e é acompanhado de pipoca e, claro, vinho ou espumante. Os filmes são sempre relacionados a vinho e os visitantes podem deitar com almofadas e cobertas no gramado. A sessão custa R$40.

Dal Pizzol – Bento Gonçalves (RS)

Com parque infantil, Ecomuseu da Cultura do Vinho e enoteca, a Dal Pizzol reserva um dia cheio de atividades para toda a família. O museu, por exemplo, conta com mais de 200 garrafas nacionais e estrangeiras provenientes dos 5 continentes, dentre elas a garrafa de vinho mais antiga do Brasil, de 1937, e ânforas italianas originais.

Sul

Imperdível: enoteca, que guarda os vinhos produzidos pela empresa da família desde sua fundação, em 1974. Sul

Saia da rota

Entre uma vinícola e outra, o Vale dos Vinhedos surpreende com atrações para todos os gostos, e permite uma experiência completa para o turista que viaja com família ou amigos. Inclua no trajeto:

Caminho das Pedras de bicicleta

Com casas centenárias e vista exuberante, o Caminho das Pedras compreende um circuito de 12km, que completa 27 anos de existência, e permite uma experiência com paisagens únicas e o resgate das referências italianas trazidas pelos imigrantes. É possível percorrê-lo a pé, de carro ou pelo famoso passeio “Que Tal de Bike?”, idealizado pelo Dall’Onder Hotel, em uma trilha tranquila. Durante o trajeto, não deixe de parar e entrar na Casa da Erva Mate, Casa do Queijo e Casa da Ovelha.

Casa da Erva Mate: com capacidade para produzir 400kg de erva mate por dia, a casa foi construída onde funcionava o antigo moinho Cecconello, de 1884. Hoje, destinada ao turismo, o visitante confere uma demonstração do processo de produção artesanal, com os históricos soques movidos a roda d’água. No final do passeio, prove a tradicional bebida na loja, um porão de 1910. Sul

Casa da Ovelha: Atração preferida das crianças, a Casa da Ovelha é uma fazenda de ovinos leiteiros, que permite o contato direto dos animais com os turistas. Na página 48 dessa edição, você pode conferir como é feito o treinamento dos cães. Sul

Passeio de Maria Fumaça

Sul

Contemple as paisagens entre Bento Gonçalves, Garibaldi e Carlos Barbosa, no passeio de Maria Fumaça de uma hora e meia, acompanhado de desgustação. Ao longo do percurso, os passageiros são guiados por um sommelier e conferem um show acústico exclusivo com a típica música italiana. Sul

Parque Cultural Epopeia Italiana

Um mergulho na história do sul do país é possível durante a visita ao Parque, com duração de 45 minutos. Lá é contada, através de acervos e um cenário que remonta a Itália do século XIX, a história de um casal que veio de navio em busca da “terra prometida”, que representa a vida dos imigrantes que deram vida à Região Uva. O turista pode degustar suco de uva, vinhos e o biscoito colonial. Sul

Sul

Union Destillery

Além dos vinhos, o whisky tem espaço na região sul.  A Union Distillery, a partir de 1972, passou para a produção de malte whisky e bebidas engarrafadas. Lá é possível acompanhar todo o processo e, ainda, degustar os produtos da casa. Sul

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

3 × quatro =