Uma bola ou um celular? Um halter ou um video-game?

Parafraseando um clássico dos cinemas: “Esses Adolescentes Maravilhosos E Seus Aparelhos Eletrônicos”, pergunto que pai e mãe nos dias de hoje já não se descabelou com os excessos de seus filhos no computador, video-game, etc…? E com razão, afinal existem sim, questões de saúde atreladas a este estilo de vida. A edição passada da Campinas Café abordou um importante tema, que é a obesidade na infância e adolescência, o que me fez agregar mais um pouco de informação.
De pronto, podemos considerar que a obesidade tem como etiologia básica (causa) o estilo de vida, onde aproximadamente 70% dos que sofrem desta patologia estão sedentários e/ou se alimentam erroneamente. Sendo assim, a busca por alternativas que tirem estes jovens da frente de suas telinhas coloridas e plugadas é tarefa árdua.
Neste tocante, tive a oportunidade e honra de ser aluno de uma referência na área, o Prof. Dr. Miguel Arruda, da Unicamp. E, diante do crescente interesse da musculação, devemos logo esclarecer o que ele me ensinou: “a musculação na adolescência é muito bem-vinda, desde que usada com baixa intensidade, ou seja, com pouco peso. No demais, os benefícios são consideráveis, incluindo o crescimento ósseo”. Quanto à frequência, três a quatro vezes por semana é excelente. Não obstante, ainda temos o que nos afirma Cacá Ferreira, Gerente Técnico Corporativo Do Grupo Cia Athletica: “com a musculação, os riscos de lesão nos adolescentes diminuem drasticamente, incluindo torções e fraturas. Além disso, os treinos são individualizados, respeitando os objetivos e necessidades de cada aluno, evitando também aquelas competições típicas para ver quem é o mais forte da turma.” Mas é evidente que pode e deve ser considerada qualquer outra modalidade: futebol, natação, peteca, carrinho de rolemã… Todos os dias!
Quando estou em aula, por exemplo, seja com uma turma, seja com um aluno personal nesta faixa etária, minha meta inicial é fazê-los ter prazer naquele momento, e para tanto, adaptar-me aos anseios deles é mandatório. E ainda tenho que muni-los de informação, explicando os porquês e objetivos, afinal, foi-se o tempo em que eles aceitavam passivamente o que lhes era solicitado.
E as estratégias para isso? Bom, agora vai meu “puxão de orelha” aos pais: exemplo, sejam os exemplos de seus filhos. Bike aos finais-de-semana, sair na rua para jogar bola, empinar pipa, andar com o cachorro, ir a pé comprar pão, etc…etc… Criatividade será um dos alicerces na luta contra os games. E mesmo que num primeiro instante pareçam não se convencer, aos poucos algo muda ao nos ver fazendo breves abdominais, em casa mesmo. E digo mais, sujar-se na infância é comprovadamente eficaz na formação do sistema imunológico. Portanto, deixe-os correr descalços. Uma ralada aqui, outra acolá será bem menos penoso do que tratar uma diabete amanhã. Boa sorte e até a próxima!

Prof. Esp. Rodrigo Domingues
Docente em Ciências da Saúde, personal trainer e proprietário da Prevenção Fit.
Contato: rodrigo.professor@gmail.com ou (19)98113 0995

Tags